‘NENHUM PARTIDO DEVE SAIR ILESO’: IMPRENSA INTERNACIONAL DIZ QUE DELAÇÃO DA JBS PODE JOGAR BRASIL EM NOVO CAOS POLÍTICO E ECONÔMICO

partidos

A nova denúncia contra o presidente Michel Temer, publicada na quarta-feira pelo jornal O Globo, é destaque na imprensa internacional.

Em gravação feita por dono da JBS, Temer teria dado aval à compra de silêncio do deputado cassado e ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (PMDB-RJ), preso em Curitiba (PR). O presidente nega, no entanto, a acusação.

De acordo com a imprensa internacional, a suposta gravação põe o governo Temer em xeque. E, diante das denúncias, o país corre o risco de “mergulhar em um novo caos político e econômico”.

‘Nenhum partido deve sair ileso’

Segundo o jornal britânico The Guardian, “gravações explosivas” atingem Temer e incriminam vários políticos incluindo o tucano Aécio Neves (PSDB-MG) e o ex-ministro petista Guido Mantega.

“Nenhum partido deve sair ileso”, diz o texto.

O jornal lembra que a aprovação do presidente já estava na casa de apenas um dígito. Menciona ainda a recente greve geral contra as políticas de austeridade e reformas de leis trabalhistas, previdenciárias e do meio ambiente.

“A possibilidade de o Brasil derrubar outro presidente está mais próxima”, apesar da coalisão do governo ter maioria no Congresso.

Ao mencionar a relação de Aécio Neves com Zezé Perrela (PSDB-MG), o jornal lembra ainda o incidente de 2013, quando um helicóptero que pertencia à família do senador, também do PSDB, foi encontrado com 445 quilos de cocaína. Apenas o piloto foi preso.

Nos Estados Unidos, o The New York Times afirmou que, mesmo “após anos de acusações e prisões por escândalos de corrupção no Brasil”, a notícia deixou o país em choque.

O jornal americano lembrou ainda que uma pesquisa realizada em abril mostrou que 92% dos brasileiros acreditavam que o país estava no caminho errado. E afirma que, apesar dos baixos índices de aprovação, Temer vinha tentando obter apoio para aprovar “medidas de austeridade”, incluindo a reforma da Previdência, “considerada um fator importante para restaurar a confiança na economia do país”.

‘Se for verdade, é uma bomba’

Para o Financial Times, Temer enfrenta a maior crise de sua curta presidência. De acordo com a publicação, a denúncia já está sacudindo o impopular governo Temer, que conta com baixa aprovação, e tem oito de seus ministros alvos de investigação.

“Se for verdade, é uma bomba”, diz o analista Thomaz Favaro, citado pelo jornal.

Na análise das possíveis consequências, o jornal lembra que Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados, na linha de sucessão, também foi implicado em denúncias. O jornal menciona também que Temer está batalhando para introduzir reformas ambiciosas, incluindo mudanças altamente impopulares no sistema de Previdência.

“As últimas revelações teriam o poder, não apenas de pisotear seus planos – poderiam derrubá-lo”, afirma.

‘Novo caos político e econômico’

O jornal francês Le Monde diz, por sua vez, que as gravações ‘mancham’ a imagem de Temer e marcam um novo capítulo da saga iniciada em 2014 pela Operação Lava Jato. O jornal alerta ainda que, diante das novas denúncias, o Brasil corre o risco de “mergulhar em um novo caos político e econômico”.

“O país que mal havia começado sua recuperação depois de uma recessão histórica, poderia novamente sofrer com a ira dos mercados financeiros, preocupados com o bloqueio das reformas prometidas por Michel Temer”, diz o texto.

A agência americana Bloomberg informou em seu site que o Brasil voltou a mergulhar em uma crise política. De acordo com a notícia, investidores dizem que é muito cedo para saber o impacto das recentes denúncias e seu real significado para a “ambiciosa agenda governamental que buscava fortalecer a base fiscal do país”.

“Mas a reação inicial do mercado mostra bastante pessimismo após a maior queda da moeda e das ações brasileiras nos últimos 12 meses”, afirma trecho da reportagem.

O The Times lembra, por sua vez, que Temer chegou ao poder prometendo combater a corrupção e colocar a economia do país de volta aos trilhos. E destaca que centenas de manifestantes se reuniram em São Paulo, a maior cidade do Brasil, após a denúncia ser divulgada pedindo a renúncia do presidente.

Cunha, ‘o homem que desatou o processo’

Já o site do jornal argentino El Clarín chama a atenção para o papel de Eduardo Cunha, que está preso, no escândalo. De acordo com a publicação, o ex-presidente da Câmara “não foi qualquer personagem da história do impeachment” contra a ex-presidente Dilma Rousseff.

“Na realidade, foi o homem que desatou o processo e que logo conduziu com respaldo de uma grande maioria da Câmara”, diz a publicação.

O jornal americano The Washington Post lembra que Temer e Cunha são membros do mesmo partido e foram aliados, mas que “pareciam ter se desentendido em meio à crescente investigação sobre corrupção envolvendo a Petrobras”. A publicação afirma que, desde o início da Operação Lava Jato, diversos políticos e empresários foram presos.

“Muitos acreditam que Cunha, que era amplamente visto como o político mais poderoso do Brasil antes de ser atingido pelos diversos casos de corrupção, poderia testemunhar contra dezenas de outros (políticos e empresários) caso fechasse um acordo de delação com os investigadores da Lava Jato”, diz.

BBC

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s