RELATÓRIO DA PF CONCLUI QUE TEMER ATUOU PARA OBSTRUIR INVESTIGAÇÕES

policia-federal-carro_1

Relatório final da Polícia Federal, entregue ao STF (Supremo Tribunal Federal), afirma que o presidente Michel Temer atuou para embaraçar investigações. O documento diz ainda que Temer deixou de comunicar as autoridades sobre suposta corrupção de membros do Judiciário e do Ministério Público.

Os delegados entenderam com base na gravação feita por Joesley Batista no Palácio do Jaburu que a “única interpretação possível” é de que o presidente incentivou a continuação de pagamentos para Eduardo Cunha (PMDB-RJ), ex-presidente da Câmara, no sentido de que ele ficasse em silêncio –o ex-deputado está preso no Paraná desde outubro do ano passado.

O relatório da PF sobre as relações de Temer com a JBS, enviado ao tribunal na tarde desta segunda (26), serve para embasar uma eventual denúncia por parte da PGR (Procuradoria-Geral da República).

A polícia também concluiu que o mesmo crime foi cometido por Joesley e pelo ex-ministro Geddel Vieira Lima, este último por ter manifestado interesse em manter pagamentos a Lucio Funaro, apontado como operador de Cunha e preso desde julho do ano passado.

Sobre Temer, a PF afirma que ele atuou “por embaraçar investigação de infração penal praticada por organização criminosa, na medida em que incentivou a manutenção de pagamentos ilegítimos a Eduardo Cunha, pelo empresário Joesley, ao tempo que deixou de comunicar autoridades competentes de suposta corrupção da Magistratura Federal e do Ministério Público que lhe fora narrado pelo mesmo empresário”.

Na semana passada, a polícia já havia finalizado outra parte da investigação, que apontou para a prática do crime de corrupção passiva por Temer e seu ex-assessor Rodrigo Rocha Loures.

SILÊNCIO

No pedido de abertura de inquérito feito ao Supremo, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, afirmou que Temer deu anuência para a compra de silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha e seu operador Lucio Funaro, ambos presos.

Entre outros elementos, Janot se baseou em trecho do diálogo do presidente com o Joesley no Palácio do Jaburu para sustentar que houve obstrução de Justiça.

O procurador-geral afirmou que, na conversa, Temer ouviu de Joesley que o ex-presidente da Câmara estava sendo pago para ficar em silêncio e sobre o assunto respondeu: “Tem que manter isso, viu?”, o que seria um aval.

A conversa divulgada à imprensa, porém, continha trechos inaudíveis –uma perícia realizada pela PF conseguiu desvendar algumas palavras no episódio.

Após a fala de Temer, Joesley afirmou: “Todo mês”, o que indica, segundo o empresário afirmou em seu acordo de delação premiada fechada com a PGR, acertos em dinheiro.

O relatório da polícia também seguiu na mesma linha, com a interpretação de que o diálogo no Jaburu significou o incentivo da compra do silêncio.

“Os termos do diálogo [no Jaburu], conquanto não sejam explícitos –como costumam não ser em conversas desse jaez–, têm como única interpretação possível, a seguinte: o Exmo. Sr. Presidente da República entendeu que o ‘bom relacionamento’ aludido por Joesley encerrava a ideia de apoio financeiro prestado a Eduardo Cunha e, assim, inequivocamente, incentivou a sua manutenção com as expressões ‘tem que manter isso, viu?’, seguindo-se a complementação do empresário: ‘todo mês'”, afirmou a PF.

Segundo o relatório da polícia, os membros do chamado “PMDB da Câmara” temiam que Cunha e Funaro falassem o que sabem sobre fraudes na Caixa.

“É possível observar que as informações relacionadas ao envolvimento de membros do grupo político denominado ‘PMDB da Câmara’ em fraudes perpetradas no âmbito da Caixa Econômica Federal passam por um ponto de intercessão: a atuação de Eduardo Cunha, direta ou indiretamente, com a coparticipação de Lucio Bolonha Funaro. Rigorosamente, é o que justifica o suposto temor dos demais integrantes desse grupo político acerca de eventual revelação de práticas delituosas por ambos”, diz a PF.

“Assim, a manutenção de pagamentos periódicos a Eduardo Cunha e a Lucio Funaro, enquanto custodiados, interessava a quem porventura tivesse praticado ilícitos de modo consorciado a eles.”

Também com base no diálogo gravado no Jaburu, a polícia afirma que Temer deixou de comunicar as autoridades sobre suposta corrupção de membros do Judiciário e do Ministério Público.

OUTRO LADO

Procurado pela Folha, o advogado Antonio Mariz de Oliveira, que faz a defesa do presidente, disse que ainda não teve acesso ao relatório e que, por isso, não irá comentá-lo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s