23 SENADORES INVESTIGADOS NA LAVA JATO FICAM SEM FORO PRIVILEGIADO SE NÃO SE ELEGEREM EM 2018

imagessa

Vinte e três senadores alvos da Operação Lava Jato – ou de desdobramentos da investigação – ficarão sem o chamado foro privilegiado se não se elegerem em 2018.

O número de parlamentares nessas condições é quase metade dos 54 senadores cujos mandatos terminam neste ano.

Entre os investigados que podem ficar sem mandato – e consequentemente sem foro privilegiado – a partir de 2019, estão integrantes da cúpula do Senado.

São os casos do presidente da Casa, Eunício Oliveira (PMDB-CE); do líder do governo e presidente do PMDB, Romero Jucá (RR); do líder do PT, Lindbergh Farias (RJ) e do líder da minoria; Humberto Costa (PT-RJ). Os quatro são alvos da Lava Jato.

Ex-presidentes da Casa, Renan Calheiros (PMDB-AL), Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN), Jader Barbalho (PMDB-PA) e Edison Lobão (PMDB-MA) também são investigados na Lava Jato e terão de enfrentar as urnas neste ano.

Cássio Cunha Lima (PSDB-PB)
Aécio Neves (PSDB-MG) Aloysio Nunes (SP) Lídice da Mata (BA) Vanessa Grazziotin (AM) Ricardo Ferraço (PSDB-ES) Dalirio Beber (PSDB-SC) Eduardo Braga (PMDB-AM Jorge Viana (PT-AC) Ivo Cassol (PP-RO)