Caminhoneiros não guardaram o barril de pólvora: só falta alguém riscar o fósforo

BRASILE IN GINOCCHIO PARALIZZATO DA SCIOPERO CAMIONISTI

Faz 1 mês que o Planalto anunciou medidas para conter uma nova paralisação dos caminhoneiros em 29.abr.2019.  Só parte do prometido foi implementado. A tensão prossegue pelas mesmas razões apontadas desde o encerramento da greve de 2018: falta de fiscalização e diesel caro.

Nos grupos de WhatsApp, é mobilizada uma manifestação para domingo (19.mai.2019), no estádio Mané Garrincha, a 4,3 km do Palácio do Planalto. Não é paralisação. E, como tem ocorrido nas mais recentes tentativas, a disposição de parar varia. A insatisfação, porém, é geral.

Não funciona o que mais interessa, que é a tabela do piso mínimo”, disse ao Poder360 o caminhoneiro autônomo José Alessandro, que atua no Nordeste. Medidas como o Cartão Caminhoneiro para comprar diesel a preços fixos e os empréstimos de R$ 30 mil com recursos do BNDES “não favorecem” a categoria, afirma Alessandro.

O Cartão Caminhoneiro, da BR Distribuidora começará a funcionar como piloto na 2ª feira (20.mai.2019). Servirá para garantir preços uniformes do diesel nos postos da bandeira BR. Os motoristas dizem que a medida é pouco efetiva porque eles terão de comprar antecipadamente o combustível. E o regime financeiro deles é “vender o almoço para comprar a janta”.

 

Do Poder 360: