Desemprego cai para 12,3%, mas ainda atinge 12,9 milhões de brasileiros

www.escrevernafoto.com.br_9tpd5

O taxa de desemprego apresentou a 4ª queda mensal consecutiva e fechou o trimestre encerrado em julho em 12,3%. Mesmo com o recuo, 12,9 milhões continuam sem emprego no país.

Nos 3 meses imediatamente anteriores, de fevereiro a abril, a desocupação estava em 12,9%. Já no mesmo período do ano passado, de maio a julho de 2017, era de 12,8%.

Os dados da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio) Contínua foram divulgados nesta 5ª feira (30.ago.2018) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Subutilização atinge 27,6 milhões

A subutilização da força de trabalho atingiu 24,5% no trimestre encerrado em julho, o que representa 27,6 milhões de pessoas. A taxa ficou estável em relação ao trimestre anterior, mas apresentou alta de 0,5 ponto percentual em relação ao mesmo período do ano passado, quando estava em 23,9%.

Essa medida, mais ampla que a taxa de desocupação, inclui:

  • os desempregados (que procuraram emprego nos últimos 30 dias): 12,9 milhões
  • os subocupados por insuficiência de horas (trabalham menos de 40 horas por semana): 6,6 milhões
  • a força de trabalho potencial: 4,8 milhões de desalentados (que desistiram de procurar emprego) + 3,3 milhões que podem trabalhar, mas não têm disponibilidade.

O percentual de pessoas desalentadas cresceu significativamente em relação ao ano passado. No trimestre encerrado em julho de 2017, eram 4 milhões de pessoas. A alta foi de 17,8%.

CARTEIRA ASSINADA

No período, foram registradas 11,1 milhões de pessoas trabalhando sem carteira assinada no país. Houve estabilidade em relação ao trimestre anterior, mas alta de 3,4% frente ao mesmo período do ano passado.

Já o número de empregados com carteira assinada ficou em 33 milhões, estável nas duas comparações. Os dados do IBGE vêm mostrando que a queda do desemprego tem sido puxada pela informalidade.

O número de pessoas trabalhando por conta própria também cresceu na comparação anual. Foram registradas 23,1 milhões de trabalhadores nessa posição no período. A alta foi de 2,1% em relação ao mesmo período do ano passado. O contingente ficou estável na comparação trimestral.

RENDIMENTO

A renda média real dos trabalhadores brasileiros ficou em R$ 2.205 no período. Na avaliação do IBGE, houve estabilidade frente ao trimestre anterior (R$ 2.215) e também em relação ao mesmo trimestre do ano anterior (R$ 2.188).

A massa de rendimento real somou R$ 197,2 bilhões, estável em relação ao trimestre anterior (R$ 195,9 bilhões) e ao mesmo trimestre de 2017 (R$ 193,4 bilhões).

Poder360