Desemprego é de 12,7% e atinge 13,2 milhões de trabalhadores, diz IBGE

índice

O desemprego no país foi de 12,7%, em média, no trimestre encerrado em maio, de acordo com dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). O índice é considerado estável em relação ao trimestre anterior (12,6%), mas houve queda na comparação com o mesmo trimestre do ano passado (13,3%).

Segundo o IBGE, o número de desempregados no Brasil foi de 13,2 milhões de pessoas no período. O resultado, segundo o IBGE, também é considerado estável em relação ao trimestre anterior (13,1 milhões). No confronto com o mesmo trimestre de 2017, quando havia 13,8 milhões de desocupados, houve queda de 3,9%.

Os dados foram divulgados nesta sexta-feira (29) pelo IBGE e fazem parte da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) Contínua. A pesquisa não usa só os trimestres tradicionais, mas períodos móveis (como fevereiro, março e abril; março, abril e maio etc.).

Vagas com carteira e rendimento

O número de empregados com carteira de trabalho assinada (32,8 milhões) caiu 1,1% frente ao trimestre anterior (dezembro de 2017 a fevereiro de 2018). Na comparação com o trimestre de março a maio de 2017, a queda foi de 1,5% (-483 mil pessoas).

Segundo o IBGE, o rendimento médio do trabalhador ficou em R$ 2.187 no trimestre de março a maio de 2018, resultado considerado estável em relação ao trimestre anterior e em relação ao mesmo trimestre do ano passado.

Informalidade aumenta

A pesquisa mostrou também o aumento de 2,9% no número de empregados no setor privado sem carteira assinada em relação ao trimestre anterior, chegando a 11,1 milhões de pessoas. “Em números absolutos, o resultado representa mais 307 mil pessoas em postos de trabalho que não oferecem várias garantias de direitos trabalhistas”, apontou o IBGE em nota. Em relação ao mesmo trimestre de 2017, são 597 mil pessoas a mais na informalidade (aumento foi de 5,7%).

“A redução dos postos de trabalho com carteira assinada não está alinhada com a estabilidade na taxa de desocupação. Ela indica uma redução significativa do emprego com qualidade, que permanece em queda no início do segundo trimestre do ano”, afirmou Cimar Azeredo, coordenador de Trabalho e Rendimento do IBGE.

Metodologia da pesquisa

Os dados fazem parte da Pnad Contínua. São pesquisadas 211.344 casas em cerca de 3.500 municípios. O IBGE considera desempregado quem não tem trabalho e procurou algum nos 30 dias anteriores à semana em que os dados foram coletados.

Existem outros números sobre desemprego apresentados pelo Ministério do Trabalho, com base no Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados). Os dados são mais restritos porque consideram apenas os empregos com carteira assinada.

UOL

Anúncios