Palocci suspeita que milhões da Guiné eram para campanha do PT

18199256_1589164761095078_6051293261127828738_n

PT, Antonio Palocci, sobre o episódio da apreensão das malas, com US$ 16 milhões, da comitiva de Teodorin Obiang, filho do ditador da Guiné Equatorial.

As informações foram apuradas pelo O Antagonista.

Um delegado e um agente da PF visitaram o ex-ministro Antonio Palocci um dia depois da apreensão dos dólares em Viracopos.

Aos interlocutores, ele disse ter “quase certeza” de que o dinheiro apreendido pela Receita em Viracopos, no dia 14, tinha como destino o caixa 2 do Partido dos Trabalhadores (PT).

Palocci lembrou que Lula capitaneou interesses da Odebrecht, da OAS e da Queiroz Galvão na Guiné Equatorial, em troca de propina.

Segundo ele, o ex-presidente falava de “negócios cruzados”. O ex-ministro também comentou que Obiang tinha um apartamento no mesmo condomínio de Emílio Odebrecht.

Com a comitiva do filho do ditador foram encontrados US$ 1,4 milhão e 20 relógios cravejados de diamantes, avaliados em mais de US$ 15 milhões.

Anúncios