Trump ataca Opep e ameaça com sanções a empresas europeias que negociarem com Irã

A TRUMP EU SOU LOUCO MESMO!_800x501

O presidente americano, Donald Trump, atacou a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), com um aviso para que a entidade pare de manipular o preço do petróleo e subiu pressão sobre aliados, ameaçando com sanções empresas europeias que negociarem com o Irã.

Pelo Twitter, Trump afirmou que o rei da Arábia Saudita, Salman bin Abdulaziz Al Saud, teria concordado em aumentar sua produção de petróleo. Em seguida, a Casa Branca voltou atrás e informou que os sauditas iriam aumentar a produção caso fosse necessário.

Os preços no petróleo aumentaram na última sexta-feira com preocupações de que as sanções americanas contra o Irã retirariam volumes significativos de petróleo do mercado internacional em um momento em que há maior demanda.

Em uma entrevista no último domingo à rede de TV Fox News, Trump responsabilizou diretamente a Opep, da qual a Arábia Saudita é membro. Perguntado se alguém estava manipulando os mercados, Trump afirmou: “a Opep está e é melhor parar, porque nós estamos protegendo aqueles países”.

Europa na mira. Trump disse ainda que empresas europeias que negociarem com o Irã enfrentarão sanções americanas.

O presidente americano fará uma visita a Europa no final deste mês para uma reunião da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), mas as tensões comerciais entre americanos e europeus devem dominar a pauta da viagem, não apenas em relação ao petróleo, mas sobretudo pela imposição de tarifas sobre aço e alumínio aos parceiros comerciais dos Estados Unidos.

À Fox News, o presidente americano também comparou as práticas comerciais da União Europeia com as da China. “A União Europeia é possivelmente tão ruim quanto a China, só que é menor. Os europeus tiveram um superávit comercial de US$ 151 bilhões no ano passado. Esses países nos tratam muito injustamente”, afirmou.

Ainda sobre comércio exterior, Trump disse à Fox que não está satisfeito com o Tratado Norte-americano de Livre Comércio (Nafta), firmado com Canadá e México. O presidente também afirmou que não irá discutir um novo acordo entre os países antes das eleições de novembro nos Estados Unidos.

Estadão