Cármen Lúcia defende atuação de cidadãos na política para fortalecer democracia

22jun2017---sessao-plenaria-do-stf-na-tarde-de-hoje-sob-a-presidencia-da-ministra-carmen-lucia-os-ministros-decidem-se-o-ministro-edson-fachin-relator-da-lava-jato-pode-homologar-delacoe

Presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, falou nesta segunda-feira, 26, sobre a importância da atuação de cada cidadão no processo político para o fortalecimento da democracia. Ao tratar da crise de representatividade do Estado brasileiro em aula magna na Fundação Getúlio Vargas (FGV), Cármen questionou se não cabe repensar a forma como a sociedade se apresenta ao poder no lugar de discutir o modelo de representação brasileiro.

“Cada brasileiro faz uma diferença enorme ao Brasil”, declarou a ministra, acrescentando que é fácil criticar sem participar. Sobre o mesmo tema, considerou que quanto maior for a participação política do cidadão, mais legitimados serão seus representantes e mais fortes serão as instituições democráticas.

“A população se ressente de um Brasil que ele quer ter, mas aprendi que devemos lutar para ter o país que queremos”, observou Cármen, antes de pontuar que a democracia precisa ser conquistada a cada dia. Ela acrescentou que, ainda que o voto livre seja “imprescindível” numa democracia representativa, a democracia, mais do que isso, exige que os cidadãos sejam agentes partícipes do processo político.

Segundo a ministra do Supremo, a “força maior” é do povo. Se a sociedade tiver em suas mãos o comando do seu destino dificilmente o Brasil terá uma sociedade não democrática, assinalou . Durante o evento, Cármen Lúcia evitou sair do tema da aula magna e não quis responder a uma pergunta sobre o que pensa a respeito da intervenção federal no Rio de Janeiro. Com informações Estado de Minas.

Anúncios