PF ACHOU ANOTAÇÕES DE VALORES DA ODEBRECHT E BRASKEM NA CASA DE AÉCIO

CNO-E-BRASKEM-768x485

A Polícia Federal encontrou na casa do senador Aécio Neves, durante buscas e apreensões no âmbito da Operação Patmos, anotações com valores de 200 mil e 510 mil relacionados à Odebrecht e à Braskem. No papel manuscrito, ao lado da anotação ‘CNO’ (COnstrutora Norberto Odebrecht), consta os nomes ‘Pimenta’ e ‘Direção Estadual’. Ao lado de ‘Braskem, o tucano anotou ‘Direção Estadual’. Para os investigadores, os valores ‘provavelmente’ são ‘monetários’ e são ‘possivelmente fruto de atividade ilícita’.

As buscas e apreensões na casa de Aécio Neves se deram em maio, quando o senador foi afastado do cargo por decisão do ministro Luiz Edson Fachin, à época em que foi deflagrada a Patmos. No âmbito da Operação, o tucano foi gravado pedindo R$ 2 milhões a Joesley Batista, acionista da JBS. Os valores teriam sido repassados ao primo do senador, Frederico Pacheco, o Fred, e as primeiras tratativas teriam sido realizadas pela irmã do senador, Andrea Neves, ambos flagrados em ação controlada da Polícia Federal. Aécio foi denunciado por corrupção passiva por supostas propinas de R$ 2 milhões dos delatores.

A Polícia Federal enviou ao Supremo relatório sobre cada item encontrado na casa do senador e dos demais investigados na Patmos. Segundo o documento, um dos itens é uma ‘folha manuscrita é composta de três anotações com nomes e números podendo ser valores em moeda nacional’.

Constam duas empresas: CNO (Construtora Noberto Odebrecht) e BRASKEM. Ao lado da CNO há dois nomes: PIMENTA e DIREÇÃO ESTADUAL. Ao lado dos nomes há, respectivamenteos números 200.000,00 e 510,000,00, que provavelmente referem-se a valores monetários. Ao lado da BRASKEM há o nome DIREÇÃO ESTADUAL e o número 240.000,00. que provavelmente refere-se a valor monetário.

A PF diz que não é passival afirmar, somente com essa anotação, o nome completo de Pimenta, mas é necessário ouvir ‘explicação dessas anotações’ dos investigados. Delatores da Odebrecht falam em R$ 50 milhões em doações oficiais e não oficiais ao grupo político do tucano, formado pelo próprio Aécio, Pimenta da Veiga (candidato em 2014 ao governo de Minas), Dimas Fabiano Junior (candidato a deputado federa), e Antônio Anastasia (candidato ao Senado pelo PSDB de Minas).

“Esses números provavelmente tratam-se de valores monetários. A relevância está no fato de o montante ser alto e de possivelmente ser fruto de atividade ilícita”, conclui o documento, subscrito pelos agentes Morais Cesar da Mota Furtado e Osvaldo Escórcio Meneses Filho.

COM A PALAVRA, AÉCIO

Nota assessoria do senador Aécio Neves

As anotações referem-se a doações na campanha de 2014 devidamente registradas na Justiça eleitoral para o diretório estadual de MG, de forma lícita e transparente, facilmente comprovável no site do TSE.

Estadâo

Anúncios