STF abre inquérito contra o ministro Carlos Marun

1105726-wdol_abr_24012018_0155_1-1

O ministro Carlos Marun, da Secretaria de Governo, passou a ser investigado nesta segunda-feira (03) por decisão do Supremo Tribunal Federal.

O ministro Luiz Edson Fachin, do STF, determinou a abertura de inquérito para apurar suspeita de corrupção e associação criminosa na liberação de registros sindicais pelo Ministério do Trabalho.

De acordo com investigação da Polícia Federal, Carlos Marun conseguia “manifestações fraudulentas” para entidades sindicais de Mato Grosso do Sul. Em contrapartida, a PF afirma que os sindicatos “possivelmente ofereceram vantagens indevidas” ao ministro.

Vivianne Lorenna Vieira, chefe de gabinete de Marun, também é alvo do inquérito.

As investigações ocorrem no âmbito da Operação Registro Espúrio, em que a procuradora-geral da República denunciou 26 pessoas por organização criminosa. Entre os nomes citados por Raquel Dodge estão os do ex-ministro do Trabalho Helton Yomura, dos deputados Cristiane Brasil, Jovair Arantes e Nelson Marquezelli, todos do PTB, além do presidente da sigla, Roberto Jefferson.

O deputado Paulinho da Força, do Solidariedade, também é alvo das investigações.

Carlos Marun é mais um ministro do Governo Temer investigado no Supremo. Além do próprio presidente, Eliseu Padilha, chefe da Casa Civil, e Moreira Franco, que comanda o Ministério de Minas e Energia, são alvos de inquéritos. Os citados negam envolvimento em casos ilícitos.

Jovem Pan Online

 

Anúncios